|Campanha| Principais dificuldades na amamentação e dicas para tornar esse momento único!!!

Continuando nossa série de posts especiais nessa Semana Mundial do Aleitamento Materno, hoje falaremos sobre as principais dificuldades na amamentação.

A prática incorreta da amamentação pode ocasionar desconforto para a mãe e bebê. Diversos problemas como fissuras nos mamilos em função da pega incorreta, sucção inadequada resultando na quantidade insuficiente de leite para o bebê, entre outros, são alguns dos principais fatores que causam o desmame precoce!

Fonte imagem: Google


  1. Pega e posicionamento incorreto (faremos um post exclusivo);
  2. Anatomia dos mamilos - durante o pré natal a gestante já deve ser orientada quanto a preparação dos mamilos para a amamentação. Existem 4 tipos de mamilos: Protusos (normais), Semi protusos (bico pequeno), Invertidos e Pseudo invertidos (os dois últimos são considerados mal formados). Exercícios manuais de exteriorização para facilitar o aleitamento devem ser realizados durante o banho a partir do segundo trimestre. Exercício 1: posicionar os dois dedos indicadores no final da borda da aréola e realizar movimentos esticando a pele no sentido horizontal (repetir de 5 a 10 vezes) e depois repetir o exercício no sentido vertical. Exercício 2: pegar o mamilo entre os dedos e torcer de forma lenta e suave de um lado para o outro. Repetir várias vezes durante o dia;
  3. Dor no mamilo ao amamentar -  a sensibilidade na região da aréola por conta da não preparação dos mamilos para a amamentação é a principal causa de dor na amamentação. O tratamento consiste na utilização do próprio leite para massagear e hidratar a aréola e mudanças mais frequentes de posição ao amamentar para evitar lesões e fissuras;
  4. Ductos lactíferos bloqueados - o bloqueio ocorre quando há obstrução dos ductos devido ao acúmulo de leite quando a mama não foi corretamente esvaziada. Há 2 tipos de situação que causa o bloqueio dos dutos: 1- presença de um nódulo inchado que inflama o tecido ao redor e pressiona os ductos bloqueando-os parcial ou totalmente. A área ao redor do nódulo fica bastante sensível e dolorida. 2- ocorre a real obstrução dos ductos e geralmente ocorre nas primeiras semanas após o início da amamentação. Se não for devidamente tratado, o bloqueio dos ductos pode ser o estágio inicial para desenvolver uma mastite. O tratamento consiste na retirada manual do leite pela ordenha, aumento da frequencia de mamadas deixando o bebê sugar a mama completamente até esvaziá-la (sempre que possível), massagem, posicionamento e pega adequados;
  5. Mama ingurgitada - ocorre quando há aumento na vascularização e congestão das mamas devido ao acúmulo de leite. Pode ocorrer só na região da aréola ou na mama inteira e caracteriza-se por inchaço e sensibilidade. A aparência da mama fica volumosa e inchada, pele brilhante e possivelmente avermelhada. Quando ocorre o engurgitamento, o bebê não tem uma boa pega, sugando inadequadamente e mamando incorretamente, o que resulta em uma amamentação dolorosa para a mãe e difícil para o bebê. O tratamento consiste no aumento da frequencia das mamadas e ordenha, manter as mamas elevadas como uso de sutiã adequado, compressas quentes e/ou duchas de água morna antes das mamadas causando vasodilatação para facilitar a saída do leite e compressas frias após as mamadas para reduzir a vascularização;
  6. Fissuras - lesões em forma de rachaduras muito comuns que ocorrem em mamilos sensíveis e despreparados para a amamentação. A principal causa é o mau posicionamento durante a amamentação. São facilmente evitadas com cuidados e preparação dos mamilos e prática correta da amamentação. O tratamento consiste na orientação, correção do posicionamento e utilização do próprio leite (com efeito cicatrizante) no local. Em situações especiais é necessário o uso de pomadas específicas a base de lanolina;
  7. Mastite - processo inflamatório agudo ou crônico que se não for devidamente tratado pode se transformar em infecção. Acontece bastante em primíparas e é causada devido à obstrução dos ductos e acúmulo de leite na mama. Se houver presença de fissuras pode ocorrer contaminação, causando infecção. Sintomas: dor, rubor, aumento da sensibilidade na região e febre. Em alguns casos é necessário o uso de analgésicos e antibióticos e em casos mais graves drenagem cirúrgica dos abscessos. Para tratar ou evitar a mastite as mamas devem ser esvaziadas (mesmo que por ordenha), não colocar o bebê para mamar sempre na mesma posição, ou seja, variar as posições durante a mamada para evitar lesões, manter-se hidratada (em função da febre) e repousar. Não se deve usar cremes, óleos, sabonetes e compressas se a mama já estiver lesionada.
A amamentação,  embora seja um ato natural, precisa ser aprendida, tanto pela mãe quanto pelo bebê, exige muita paciência e tranquilidade!

Beijos

6 Comentários
Comentários
  1. Otimo post De!
    Eu tive fissuras... ai ai
    bjs
    Lele

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo post!
    Beijocas!
    Rose

    http://sonhofilho.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita Rose! Fico feliz que tenha gostado do post!
      Beijo

      Excluir
  3. Amamentação é a parte mais gostosa da maternidade!!! Lindo post!

    www.mamaedefases.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pri! Eu tb acho, sou super suspeita para falar pois amamentei AL até 2a7m e sinto muita falta desse momento único, só nosso!
      Beijo

      Excluir